Tatuagem na Prisão: Estigma e Identidade
Tatuagem na Prisão: Estigma e Identidade

Tatuagem na Prisão: Estigma e Identidade

Por: Karine Belmont Chaves

Compre nas seguintes lojas: (clique no logotipo para acessar)



Resenha:

Este estudo tem como objetivo buscar a compreensão da tatuagem na prisão e os desdobramentos da tatuagem como forma de expressão, identificação e pertencimento individual e grupal neste contexto estigmatizante e marginalizante. Sob uma perspectiva interdisciplinar, a pesquisa foi realizada na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, através da obtenção de dados em fontes primárias como consultas a prontuários de identificação dos presos e manuais de significados de tatuagens, em fontes bibliográficas, observação participante e realização de entrevistas semi-dirigidas. Nesta unidade penal, 64% dos presos que cumprem pena em regime fechado possuem tatuagem e verificamos que as pessoas presas “escolhem” suas tatuagens e seus símbolos condicionadas pelo envolvimento criminal. Deste modo, o uso da tatuagem nesse contexto indica pertencimento ao grupo, identificação com a atividade criminosa, marginalização pelo estigma, mas também reforço dos vínculos afetivos com familiares. Os símbolos tatuados se diferenciam dos usados fora da prisão, como difere a qualidade da tatuagem realizada na prisão, sem os materiais, técnicas e habilidades desejáveis. Embora a tatuagem seja na contemporaneidade um “fenômeno cultural”, em muitos casos ela ainda configura estigma, pois representa um código de identificação do “criminoso”, principalmente para os profissionais da segurança pública.


Contatos

Curta nossa fanpage

Newsletter

Copyright 2019 SG Leitura Digital